google.com, pub-9214716039940352, DIRECT, f08c47fec0942fa0
 

86 itens encontrados

  • Aprenda o que é retinopatia diabética e como evitar

    A retinopatia diabética é uma complicação do diabetes que precisa da sua atenção, já que pode ser perigosa, sendo a principal causa de cegueira em adultos de 20 a 74 anos de idade, além de estar se tornando cada vez mais comum em diabéticos das mais diferentes faixas etárias. Entenda abaixo mais detalhes sobre retinopatia diabética, suas causas e a importância da prevenção! O que é retinopatia diabética? A retinopatia diabética é uma doença que afeta os pequenos vasos da retina (região do olho responsável pela formação das imagens enviadas ao cérebro). A partir da evolução da doença, esses vasos tornam-se incontinentes e libertam sangue ou fluído sanguíneo para o espaço retiniano ou para o vítreo, causando assim problemas de visão. Essa complicação pode ser dividida como não proliferativa e proliferativa, de acordo com a extensão e as características. A não proliferativa caracteriza-se por ser o estágio menos avançado da doença, em que é possível encontrar micro aneurismas, hemorragias e vasos sanguíneos obstruídos, e, como consequência, as áreas da retina ficam sem suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes. Já a retinopatia diabética proliferativa é o estágio mais avançado da complicação, em que acontece o aparecimento de novos vasos sanguíneos na superfície da retina, que, quando rompidos, provocam perda de visão grave e cegueira. Causas e sintomas A causa da retinopatia diabética está nas alterações que o diabetes provoca nos vasos sanguíneos, que pode acontecer devido a dois fatores, principalmente: o descontrole da glicemia e o tempo de duração do diabetes. Entretanto, vale citar que outras condições, como colesterol elevado, doenças renais, anemia, hipertensão arterial, hereditariedade e tabagismo, podem contribuir para o aparecimento mais rápido da doença. Em relação aos sintomas, é muito importante dizer que eles variam bastante de acordo com o estágio da doença. Em fase inicial, a retinopatia diabética é assintomática e, à medida que ela progride os sintomas podem incluir: pontos ou manchas escuras flutuando na visão, visão embaçada, visão que muda periodicamente de borrada para clara, visão noturna prejudicada, perda de visão central ou periférica, entre outros. É relevante destacar que geralmente tais sintomas afetam ambos os olhos. Como prevenir Como falamos anteriormente, a retinopatia diabética pode ser assintomática em fases iniciais, o que torna a prevenção extremamente importante. A progressão da doença é prevenida com controle adequado da glicemia e com exames oftalmológicos regulares, como o exame de fundo ocular, que deve ser realizado pelo menos uma vez por ano. Lembre-se que quanto mais cedo as alterações forem tratadas, maiores são as chances de controlar a doença e preservar a sua visão. Retinopatia diabética tem cura? Não, porém se for tratada é possível reduzir a perda de visão. Para prevenir a doença e a sua progressão, é extremamente importante o controle da glicemia, assim como visitar de forma regular o oftalmologista. Entenda qual a relação entre doença periodontal e diabetes, e como prevenir! Fontes: https://saude.novartis.com.br/doencas-da-visao/o-que-e-retinopatia-diabetica/ https://deolhonodiabetes.com.br/o-que-e-retinopatia-diabetica/ https://deolhonodiabetes.com.br/sinais-e-sintomas-da-retinopatia-diabetica/ https://retinapro.com.br/blog/retinopatia-diabetica/ https://www.saudebemestar.pt/pt/clinica/oftalmologia/retinopatia-diabetica/

  • Diabetes e saúde bucal: entendendo a importância de se cuidar diariamente

    Muita gente não sabe, mas pessoas com diabetes tem risco elevado de desenvolver doenças bucais caso não cuidem da saúde da boca, já que altos níveis de glicose no sangue ajudam no crescimento de bactérias na região, tornando assim o ambiente mais propicio para o desenvolvimento de doenças gengivais, como gengivite (estágio inicial de doença gengival) e periodontite (estágio avançado em que pode ocorrer perdas ósseas). Abaixo, nós vamos te contar um pouquinho mais sobre a relação entre diabetes e saúde bucal e te dar algumas dicas essenciais para cuidar da sua boca! Diabetes X Saúde Bucal: Uma via de mão dupla Como falamos anteriormente, o descontrole do diabetes pode influenciar no aparecimento de doenças bucais, porém, é importante dizer também que essa relação é uma via de mão dupla, ou seja, as doenças bucais, mesmo as que não foram causadas pelo descontrole glicêmico, também podem afetá-lo, dificultando assim o controle do diabetes. Quais são os principais problemas bucais que podem afetar os diabéticos? Xerostomia – É comum que os diabéticos desenvolvam a xerostomia (boca seca), em que a boca fica sem saliva, aumentando a possibilidade do aparecimento de aftas, cáries e mau hálito. Inflamação na gengiva – Um dos principais sintomas das inflamações na região é a vermelhidão, gengiva mais volumosa ou sangramento durante a higiene bucal ou mastigação. Caso não seja tratado, é possível que a gengivite se transforme em periodontite, em que pode ocorrer perdas ósseas. Cáries – Como diabéticos tem um maior nível de glicose no sangue, causando maior acúmulo de açúcar em diversas regiões do corpo, como nas salivas, o processo de aparecimento de cáries pode acontecer de forma mais expressiva. Halitose (mau hálito) – A glicemia descontrolada pode ocasionar em hálito cetônico, que lembra o cheiro de uma maçã que está ruim. Cuidando da sua saúde bucal O primeiro passo para uma saúde bucal de qualidade é ter um bom controle glicêmico, mas também existe uma série de cuidados que são fundamentais, como: passar o fio dental diariamente e escovar os dentes após todas as refeições, consumir bebida alcoólica de forma moderada, praticar exercícios físicos regulares (que ajudam a glicemia a ficar controlada), evitar consumo de cigarros e seguir uma dieta equilibrada. É importante destacar também que as visitas regulares ao dentista, de 6 em 6 meses, precisam ser realizadas, já que funcionam como prevenção de doenças bucais, assim como são uma forma de garantir que elas serão tratadas em fase inicial, evitando complicações. Além disso, não se esqueça de dizer para o seu dentista que você é diabético e também as medicações que utiliza, pois assim ele poderá adequar o tratamento de acordo com cada caso, já que procedimentos cirúrgicos, por exemplo, devem ser feito com acompanhamento do nível glicêmico. Mudar hábitos de higiene bucal faz toda a diferença para a sua saúde em geral! Que tal começar hoje a se cuidar mais? A tecnologia vem avançando! Clica para conhecer algumas das maiores descobertas da última década para o tratamento do diabetes! FONTES: https://www.diabetes.org.br/publico/colunas/39-dra-janice-sepulveda/170-saude-bucal-e-diabetes https://www.diabetes.org.br/publico/colunas/20-dr-augusto-pimazoni-netto/1287-diabetes-e-saude-bucal https://www.colgate.com.br/oral-health/conditions/diabetes-and-other-endocrine-disorders/diabetes-and-oral-health-problems

  • Saúde mental e diabetes: aprenda maneiras de quebrar o hábito de padrões de pensamentos negativos

    O diabetes é uma condição ininterrupta, ou seja, é necessário cuidados e decisões diárias para que a mesma fique controlada e equilibrada. Cansa? As vezes sim. Desanima? As vezes sim. Existem dias ruins? As vezes sim. A verdade é que existem dias nublados para quem tem diabetes e, por isso, é super necessário que a gente consiga trabalhar a nossa saúde mental para que esses dias sejam passageiros. Em relação à saúde mental, você já parou para perceber como andam seus pensamentos? Como nossos pensamentos ajudam a determinar nossos comportamentos nos mais diferentes âmbitos da vida, é necessário perceber se você não está repetindo pensamentos negativos que estejam influenciando na sua saúde, no diabetes e também em outras áreas da sua vida. Ninguém tá falando que você precisa ser positivo sempre, tá? É bacana dizer que ninguém precisa ser sempre positivo e ter pensamentos positivos, ok? O pensamento negativo, muitas vezes, é uma maneira de nos prepararmos para o pior e para situações emergenciais. O que queremos dizer é que a repetição de pensamentos negativos sobre o diabetes pode virar um hábito e acabar atrapalhando a sua saúde mental e o seu controle da condição. Pensamentos negativos como “Nunca vou conseguir ter uma alimentação saudável” podem ser substituídos, por exemplo, por “Estou tentando ter uma alimentação saudável, hoje posso ter pisado na bola, mas continuo acreditando no meu processo gradual”. Percebeu como tudo muda com essa alteração de pensamento? Você cria um ambiente dentro de si mesmo mais saudável e em que acredita que vai ter progresso, mesmo que seja mais gradual e que precise recomeçar quantas vezes forem necessárias. Como posso quebrar padrões de pensamentos negativos? A tarefa de quebrar padrões de pensamentos negativos pode realmente trazer mais bem-estar e leveza para os seus dias, inclusive para os que você não está tão bem, seja em relação ao diabetes ou qualquer outro motivo. Abaixo, confira quatro dicas para começar hoje mesmo a quebrar padrões negativos de pensamento! Reconheça os seus pensamentos Pense sobre você e como andam seus pensamentos atuais. Com que frequência você diz, por exemplo, frases como “Eu odeio o diabetes”, “Eu não consigo controlar o diabetes” ou “Eu nunca vou conseguir perder peso”? Seja sincero com você mesmo, a escolha de quais pensamentos você se entrega é realmente sua e o inicio da mudança começa reconhecendo quais são eles. Verifique a sua auto sabotagem Ao entender melhor quais são os seus hábitos de pensamentos negativos, não deixe também de se perguntar se você não está se auto sabotando. Será que você é realmente tão ruim no controle do diabetes como vive dizendo e repetindo para si mesmo? Analise alguns fatores a sua volta As redes sociais, assim como amigos e família, podem ter uma grande influencia nos seus pensamentos. Você vive cercada de pessoas negativas? Tristes? Inseguras? Que te deixam para baixo? E nas redes sociais, você segue perfis inspiradores ou que fazem você se sentir incapaz e com uma vida inferior? Perceba os ambientes e as pessoas a sua volta e, se possível tente se cercar de pessoas mais positivas, pois isso com certeza vai ajudar a mudar o seu padrão de pensamentos negativos. Seja grato Pode parecer clichê, mas a gratidão é uma das coisas que mais podem ajudar a quebrar padrões de pensamentos negativos, já que te lembra o quanto você tem coisas boas na sua vida para agradecer e o quanto outras coisas pelos quais você vem afetando a sua saúde mental são totalmente administráveis. Que tal criar um diário da gratidão? Ele pode ajudar nos dias cinzas do diabetes e também na sua saúde mental em geral. Você sabe quais são as indicações e contraindicações da bomba de insulina? Clique para saber mais! Fontes: https://insulinnation.com/living/how-to-break-your-habit-of-negative-thinking-patterns/ https://afelicidade.org/acoes/desintoxique-se-dos-padroes-negativos-de-pensamento/ https://www.uai.com.br/app/noticia/saude/2019/05/06/noticias-saude,245437/sentimentos-e-pensamentos-negativos-podem-levar-o-corpo-a-adoecer.shtml https://vivercomprosperidade.com/pensamentos-negativos/

  • Cuidados com o diabetes no verão para aproveitar a estação

    A estação mais quente do ano está chegando! Para aproveitar bastante o verão, com bem estar e segurança, nós preparamos algumas dicas e cuidados que é indicado que se tome em relação ao seu tratamento do diabetes. São dicas simples e que vão fazer toda a diferença para que você curta os dias ensolarados com saúde 😊 Armazenando as medicações em dias de calor As medicações, como comprimidos e a insulina, precisam ser mantidos em locais sem exposição direta do sol ou que possam acabar deixando-os aquecidos, como porta-luvas do carro, por exemplo. A insulina ainda não aberta deve ser conservada a temperaturas entre 2 e 8 graus, distante do congelador. Não congele! Caso não seja possível deixá-la em ambientes com essa temperatura, uma boa dica é colocá-la em um bolsa térmica refrigerada. As insulinas que estão sendo usadas ou carregadas como reserva, não devem ser mantidas na geladeira. Elas podem ficar em temperatura ambiente, entre 15 e 30 graus, por até 4 semanas*. Além disso, também é importante, não só nos dias mais quentes, prestar atenção se a insulina apresenta alterações na coloração ou até mesmo partículas e, neste caso, não a utilize. Alimentação equilibrada e hidratação são fundamentais Nos dias de verão, opte por fazer uma alimentação equilibrada, leve, variada e rica em nutrientes, além de evitar bebidas alcoólicas e alimentos com elevado teor de açúcar e frituras, pois isso vai te ajudar a se sentir mais disposto para aproveitar os dias ensolarados. Importante destacar também que, se possível, o ideal é que as refeições sejam fracionadas e sem excessos. Também é muito, mas muito importante mesmo falar sobre hidratação. Para garantir uma boa hidratação, beba, no mínimo, 2 litros de água diariamente, e aumente essa quantidade em dias de calor mais intenso. Se você tiver complicações do diabetes nos rins, vale conferir com sua equipe médica qual a quantidade indicada para você. É válido dizer que o calor excessivo pode levar a hipoglicemia, o que agrava ainda mais a desidratação. Uma ótima dica para beber mais água é ter sempre com você uma garrafinha de água, leve na bolsa ou deixe ao seu lado na hora do trabalho, com certeza você vai lembrar mais vezes de se hidratar. Faça atividade física de forma saudável e consciente O exercício físico é essencial, pois ajuda a reduzir os níveis de glicose no sangue, a regular a tensão arterial e os níveis de colesterol. Que tal aproveitar os dias quentes para se exercitar? Caminhadas, andar de bicicleta e nadar são boas pedidas. Lembre-se de escolher bem os horários para práticas ao ar livre para evitar exposição solar em excesso, o recomendado é antes das 10h ou após as 16h. Para te ajudar, opte por usar roupas leves, calçados confortáveis, protetor solar, óculos e de ter sempre com você uma garrafinha de água. Para a escolha da atividade física, assim como sua intensidade e duração, procure por aconselhamento com os seus médicos e também não se esqueça de medir a glicemia antes, ao final da atividade e sempre que considerar necessário, evitando exercício físico em caso de hipoglicemia ou se a glicemia estiver superior a 200mg/dl. Cuide dos seus pés Nos dias de calor, os cuidados com os pés devem ser redobrados. Deve-se evitar manter os pés molhados durante muito tempo e optar por usar meias de algodão, que permitem uma maior respiração da pele, e não as que tem costuras internas. Lembre-se que estamos em uma pandemia Apesar de ser verão, é válido lembrar que a pandemia ainda continua e que devemos tomar medidas para nos proteger assim como todos a nossa volta. Por isso, ao praticar exercícios físicos, não deixe de tomar cuidados com a higiene, além da utilização de máscara e o distanciamento social. Telemedicina na quarentena é uma excelente alternativa, né? Clique para acessar as minhas dicas de profissionais e plataformas! *O prazo de 4 semanas vale para a insulina Novorapid. Se você usar uma insulina diferente, confira a bula. Fontes: https://apdp.pt/noticias/8-conselhos-praticos-para-controlar-a-diabetes-no-verao/ https://www.atlasdasaude.pt/artigos/e-diabetico-saiba-quais-os-cuidados-ter-no-verao https://clubedodiabetes.com/2019/12/cuidados-com-o-diabetes-no-verao/ https://controlaradiabetes.pt/controlo-da-diabetes/diabetes-e-o-verao#:~:text=Fa%C3%A7a%20uma%20alimenta%C3%A7%C3%A3o%20equilibrada%20e,com%20elevado%20teor%20de%20a%C3%A7%C3%BAcar

  • A tecnologia avança: Conheça algumas descobertas para o tratamento do diabetes da última década.

    Ano após ano, a tecnologia avança e diversas novas descobertas são feitas, possibilitando a melhoria no tratamento de doenças e condições, e também, é claro, o alcance da cura. Em se tratando do diabetes especificamente, a cura ainda não foi encontrada, mas graças a tecnologia com novos medicamentos, terapias e ferramentas das mais diversas, o tratamento e o controle da condição vêm se tornando cada vez mais preciso e confortável para os pacientes. Veja abaixo algumas das maiores descobertas do tratamento do diabetes na última década e como funcionam! Sensor de Glicose Implantado por até 90 dias (Monitoramento contínuo de glicose) O Sistema de Monitoramento Contínuo de Glicose (CGM) Eversense ® é indicado para medir continuamente os níveis de glicose em pessoas com 18 anos ou mais com diabetes por até 90 dias. Destina-se a complementar, e não substituir, o monitoramento da glicose no sangue por punção digital. A inserção e remoção do sensor é realizada por um profissional de saúde. O Eversense CGM System é um dispositivo de prescrição; os pacientes devem conversar com seu médico para saber mais. Vale citar, ainda, que alguns sensores de glicemia existentes no mercado podem ser integrados a bomba de insulina e são capazes de realizar cerca de 288 medições diárias, que apontam tendências a hipoglicemia ou hiperglicemia, auxiliando em decisões a serem tomadas para um melhor tratamento e controle, como é o caso do Enlite, com a bomba de Insulina da Medtronic. Temos também o Sistema de Monitoramento Flash, o FreeStyle Libre que foi lançando há menos de 10 anos também e pode ser utilizado junto com o Miao Miao ou BluCon para se tornar um sensor de monitoramento contínuo de glicose. Canetas inteligentes de insulina As canetas inteligentes de insulina também ajudam no tratamento do diabetes, sendo uma alternativa para quem não se adaptou a bomba de insulina ou não consegue arcar com os custos do aparelho. Essa tecnologia torna a injeção de insulina mais fácil, conveniente e precisa, entregando uma maior qualidade de vida aos pacientes. Essas canetas possuem um recurso de memória que registra a hora e a data das injeções de insulina que foram feitas, uma calculadora para descobrir a quantidade de insulina a ser injetada com base em doses anteriores, nível atual de glicose no sangue e ingestão de carboidratos. Além disso, essas canetas inteligentes podem transmitir diversos dados para a nuvem e que podem ser compartilhados virtualmente com profissionais de saúde. Tecnologia é tudo, né? Pâncreas Artificial O pâncreas artificial é um dos avanços tecnológicos da última década que mais chamam atenção quando se trata de diabetes e, espera-se que o dispositivo, que imita um pâncreas saudável e funcional, chegue ao mercado até 2022. Para que você entenda melhor como essa tecnologia pode ajudar no tratamento do diabetes: o pâncreas artificial imita um pâncreas saudável, ou seja, monitora os níveis de glicose no sangue e administra insulina conforme as necessidades. Usando um pâncreas artificial, que é como uma bomba de insulina, o paciente com diabetes não precisará mais se preocupar com medições e cálculos complexos para chegar ao nível de insulina que necessita. Glucagon administrado através de via nasal Recentemente, foi aprovado pela FDA o primeiro produto de glucagon administrado por meio de via nasal para pacientes diabéticos que tenham 4 anos ou mais. O hormônio atua aumentando os níveis de glicose no sangue e é importante em caso de hipoglicemia grave. Em formato de pó nasal, o glucagon representa realmente um avanço no tratamento do diabetes, já que não requer injeções nem processo de mistura em várias etapas, simplificando o processo de administração do hormônio em casos de hipoglicemia grave, em que o paciente pode estar tendo convulsões ou ter perdido a consciência. Clique para descobrir quais são as indicações e contraindicações para o uso da bomba de in6sulina! Referências: https://www.endoweb.net/index.php/pt/publicacoes-em-destaque/508-monitoramento-continuo-da-glicose#:~:text=O%20monitoramento%20cont%C3%ADnuo%20da%20glicose,a%20glicose%20do%20l%C3%ADquido%20intersticial https://www.diabetesselfmanagement.com/diabetes-resources/tools-tech/top-diabetes-discoveries-developments-past-decade/ https://www.tiabeth.com/index.php/2019/05/22/qual-e-o-qi-da-sua-caneta-as-canetas-de-insulina-inteligentes-ja-estao-disponiveis/ https://saude.abril.com.br/blog/futuro-do-diabete/os-tres-acontecimentos-do-ano-no-mundo-do-diabetes/ https://www.anad.org.br/fda-aprova-o-primeiro-glucagon-nasal-para-hipoglicemia-grave-em-diabetes/#:~:text=Produtos%20com%20Selo-,FDA%20Aprova%20o%20Primeiro%20Glucagon%20Nasal%20para%20Hipoglicemia%20Grave%20em,ou%20mais%20que%20t%C3%AAm%20diabetes. https://setorsaude.com.br/aprovado-primeiro-medicamento-de-uso-nasal-para-diabetes-grave/

  • Um vírus pode desencadear diabetes tipo 1 ou outras doenças autoimunes?

    Estamos vivendo um momento de pandemia em que muitas vezes a gente se sente desconfortável e até mesmo inseguro, não é mesmo? Junto com o novo coronavírus vieram uma série de questionamentos relacionadas ao assunto “vírus”e ,pensando exatamente no momento atual e o quanto é importante termos informações de qualidades, resolvemos criar esse artigo com um questão que tem gerado bastante dúvida: será que um vírus pode acelerar ou desencadear o desenvolvimento do diabetes tipo 1 ou outras doenças autoimunes? Vamos te explicar tudinho! Entendendo o que é uma doença autoimune Antes de mais nada, vamos entender o que é doença autoimune, tá? Doenças autoimunes são caracterizadas pela condição em que o sistema imunológico (responsável pela defesa do nosso organismo contra agentes externos como vírus e bactérias) volta contra si mesmo. Assim sendo, os órgãos e os tecidos do nosso corpo passam a ser atacados, já que são reconhecidos como agentes externos. O que acontece, portanto, é uma autoagressão do sistema imunológico, causada por sua desorientação. Existem diversos tipos de doenças autoimunes, como diabetes tipo 1, artrite reumatoide, lúpus, esclerose múltipla, vitiligo, psoríase, anemia hemolítica, doença celíaca, doença de Crohn, entre outros. É possível que uma doença autoimune seja desencadeada ou acelerada por um vírus? Os fatores que desencadeiam as doenças autoimunes são bastante estudados, mas esse é um campo que ainda precisa ser bastante explorado para que se tenham conclusões mais precisas. Porém, o que se sabe é que existem alguns pacientes já com relativa predisposição genética para o desenvolvimento de doenças autoimunes e que, quando algum fator desencadeante é acionado, o quadro da doença autoimune se manifesta. Nessa lista estão os vírus, a microbiota intestinal, hormônios, toxinas, medicamentos e até mesmo fatores nutricionais, ansiedade e estresse. Portanto, o vírus pode sim ser um gatilho desencadeador ou acelerador do desenvolvimento de doenças autoimunes, como o diabetes tipo 1, mas, segundo estudos, somente em pessoas que já tenham predisposição genética para desenvolvê-las. Coronavírus e Diabetes Li recentemente um artigo escrito na revista Galilleu a respeito de uma carta que vários acadêmicos de todo o mundo enviaram para o periódico acadêmico inglês New England Jornal of Medicine e gostaria de compartilhar com vocês. Segundo a pesquisa, que ainda está em curso, o Covid-19 não é somente um risco para diabéticos, mas também um fator desencadeante. Na pesquisa, se fala que o coronavírus perturba a função celular normal e que pode levar a anormalidades nas vias que mantêm a glicose no sangue por meio da secreção de insulina. É muito importante citar que esse é um estudo da área em curso e que ainda não há qualquer conclusão precisa de que o Covid-19 pode desencadear o diabetes. O que se está sendo feito por esses pesquisadores no momento é o levantamento de um banco de dados para registrar possíveis casos de diabetes que foram desenvolvidos pelo novo coronavírus. Setembro é o mês da prevenção ao suicídio. Vamos entender um pouco mais sobre depressão e como ela se relaciona com o diabetes? Fontes: Revista Galilleu https://www.nejm.org/ https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5571740/

  • Diabetes e pele ressecada: qual a relação?

    A pele de quem tem diabetes realmente costuma ser mais ressecada e precisa de alguns cuidados especiais, e simples, para garantir que não surja qualquer complicação devido a esse ressecamento, como o pé diabético, por exemplo. A hidratação é o principal cuidado que deve ser tomado. Vamos entender melhor qual é a relação entre diabetes e pele ressecada? Vamos te dar algumas dicas também para cuidar da sua pele 😊 Qual o motivo da pele do diabético ser mais ressecada? Pessoas com diabetes têm mais tendência a ter a pele ressecada, já que a condição pode causar algumas alterações nos nervos da pele, como nos do sistema nervoso autonômico, que são os controladores da produção de suor e sebo. Além disso, a pele ressecada em diabéticos pode acontecer devido às hiperglicemias e ao fato de urinar com mais frequência para tentar eliminar o excesso de glicose no sangue e, assim, essa perda de líquidos no corpo pode ocasionar a pele ressecada. Cuidados com a sua pele É super importante dizer que é necessário que os diabéticos tomem cuidados diários com a pele, com o objetivo de evitar complicações, como rachaduras, pontos de vermelhidão, espessamentos, escamas e escoriações, que podem servir como entrada para fungos e bactérias. O assunto é realmente sério e é possível até mesmo que essas infecções, se não tratadas, cheguem aos ossos. Aprenda abaixo os cuidados que você precisa ter com a sua pele diariamente! Se hidrate! Beba bastante água A água é fundamental para evitar a pele ressecada. Como os diabéticos perdem muito liquido, é necessário repor essa água. Se mantenha hidratado na medida certa! Uma boa dica é andar sempre com uma garrafinha de água na bolsa, isso ajuda bastante a você beber água com mais frequência durante o dia. Não use buchas ou esponjas no banho O banho é revigorante e essencial para manter a pele limpinha, porém, para que a sua pele não perca a gordura natural que a protege, opte por não tomar banhos muito quentes e não use buchas ou esponjas. Se puder, escolha também sabonetes especiais para pele do diabético, sem sulfatos. Hidratação é fundamental Para evitar a pele ressecada, procure mantê-la hidratada. Utilize diariamente um creme hidratante especifico para a pele diabética. Essa hidratação é importante porque cria uma barreira protetora na pele contra microrganismos e evita que ela perca a umidade natural. Vistorie a sua pele Na hora de passar o hidratante diário, aproveite também para observar a sua pele. Caso perceba qualquer tipo de lesão ou alteração, não deixe de procurar o seu médico, que poderá te indicar o melhor tratamento. Qualquer alteração tratada no início tem mais chance de ter resultados positivos. Mantenha hábitos saudáveis Você pode não saber, mas manter hábitos saudáveis, como pratica de exercícios físicos regulares e uma alimentação balanceada, fazem toda a diferença para a saúde da sua pele, já que ajudam no seu controle glicêmico. Por isso, atenção a sua rotina e aos seus hábitos, eles refletem diretamente na sua saúde como um todo, inclusive na sua pele. Quando o assunto é saúde, não economize em informação! Clique para aprender sobre o que é Pré Diabetes!

  • Entendendo as indicações e contraindicações para uso da bomba de insulina

    A terapia com bomba de insulina, sistema que permite a administração continua de insulina 24h, foi criada há mais de 30 anos e é segura no tratamento de pacientes com DM1. Entretanto, embora seja uma terapia eficaz e com alta precisão, o uso da bomba de insulina possui indicações e contraindicações especificas, sabia? Entenda abaixo quais são elas! Quando a bomba de insulina é indicada? A terapia com bomba de insulina é indicada, principalmente, quando: - Há um controle inadequado da glicemia com terapia intensiva de insulina, principalmente quando o paciente é menor de 6 anos de idade; - Existe uma maior sensibilidade à insulina; - Há uma gestação em curso e o controle glicêmico está inadequado; - Existe o planejamento de engravidar por parte de mulheres com DM1; - Há uma necessidade de estilo de vida que seja mais flexível, como trabalho por turnos, por exemplo; - O paciente foi diagnosticado com gastroparesia. Além disso, também existem outras razões menos comuns em que a bomba de insulina é indicada, como: - Hipoglicemias noturnas frequentes e intensas; - Hipoglicemia assintomática; - Hipoglicemia grave; - Recusa do tratamento com MDI, principalmente por crianças; - Frequência elevada de hospitalizações; - Frequência elevada de consultas externas por complicações agudas; - Dificuldade de controle glicêmico mesmo com tratamento com MDI (principalmente por crianças maiores de 12 anos); - Ocorrência do fenômeno do amanhecer, com níveis de glicemia em jejum > 140 a 160mg/dl; - Pacientes propensos a cetose; - Adolescentes com transtornos alimentares; - Atletas profissionais ou que competem. Contraindicações da bomba de insulina Como dissemos anteriormente, também existem casos específicos em que a bomba de insulina não é indicada. A principal delas, que é chamada de absoluta, é caso exista alguma doença psiquiátrica. Já as causas relativas são as seguintes: - Deficiência visual; - Falta de compromisso em aprender sobre a terapia com bomba de insulina; - Incapacidade de automonitoração. Será que me encaixo no perfil de paciente ideal para tratamento com bomba de insulina? Antes de qualquer coisa, é importante que se saiba que o tratamento com bomba de insulina não é milagroso, tá? É realmente necessário disciplina e responsabilidade. A melhor maneira de descobrir se essa terapia é ideal para você e se combina com a sua rotina é conversando com o seu médico, já que ele é o profissional certo para te orientar em relação ao tratamento do DM1. Porém, já podemos te adiantar que o paciente com DM1 considerado ideal para o uso da bomba de insulina é aquele que: - Consegue medir a glicemia capilar pelo menos 4 vezes diariamente; - Quando estiver na fase de ajuste de doses de insulina a serem usadas na bomba de insulina, consiga medir a glicemia capilar pelo menos de 6 a 8 vezes por dia; - Segue as recomendações médicas, inclusive o plano alimentar recomendada pela nutricionista; - Está disposto a usar a bomba de insulina 24h por dia junto ao corpo; - Está disposto a passar por um processo de educação em diabetes; - Não apresenta histórico de bulimia; - Pratica atividades física de forma regular; - Conhece a contagem de carboidratos. Gostou de saber mais sobre bomba de insulina? Clica para saber como eu consegui a minha gratuitamente pelo Estado em 2015!

  • O que a quarentena tem nos ensinado em relação ao tratamento do diabetes?

    A necessidade de isolamento social diante da pandemia do novo coronavírus (covid-19) se mostrou como uma estratégia fundamental para conter a transmissão do vírus. Ficar em casa realmente é uma forma de salvar vidas, mas você já pensou também que esse momento de quarentena tem nos permitido lançar um novo olhar sobre nós mesmos e a enxergar a vida com mais carinho e gratidão? Em relação ao tratamento do diabetes, esse tempo de quarentena tem me ensinado bastante. Vou dividir com vocês abaixo 4 lições sobre diabetes que a quarentena me ensinou e tem me ensinado. 1º - É possível esperar 15 minutos para aplicar insulina antes das refeições. E não é tão difícil assim. É comum a gente viver no modo automático, fazer mil coisas ao mesmo tempo e achar que esperar 15 minutos para aplicar insulina antes das refeições é uma eternidade. A quarentena me trouxe mais calma em relação a isso e percebi que esperar esse tempinho é super possível. Além de ajudar no meu controle glicêmico, também contribui para diminuir a ansiedade na hora de se alimentar, fazendo que eu coma apenas o necessário. 2º - Fazer exercícios físicos regulares faz diferença e o fato de estar confinado não é desculpa pra não fazer Com a quarentena é normal que a gente fique com preguiça e até mesmo desmotivado alguns dias, mas percebi que nos dias que faço exercícios físicos me sinto melhor, mais motivada, mais feliz e com a glicemia mais controlada. Tenho dado mais valor a fazer exercícios físicos regulares, para minha saúde como um todo, até mesmo a mental. 3º - Não desperdiçar alimentos, consumir produtos mais naturais e fazer a própria comida A quarentena também me trouxe mais consciência dos alimentos que consumo e também a dar mais valor aos produtos, procurando não os desperdiçar. Tenho procurado comer alimentos mais naturais e sempre que possível, eu mesmo preparo as refeições. Por estes motivos, a contagem de carboidratos tem ficado bem mais fácil. 4º - Ter horas a mais no dia e usá-las a meu favor Pra quem trabalhava fora e perdia 2 ou 3 horas no trânsito, na quarentena, nós ganhamos algumas horas a mais no dia fazendo Home Office e, nesse período tenho tentado usar a meu favor em todos os sentidos, até mesmo para ajudar no tratamento do diabetes. Aproveito para tomar um solzinho na varanda, fazer yoga e meditação, estudar, fazer exercícios físicos, entre outros. A quarentena me mostrou que fazer pausas também é importante. Com todas essas lições que a quarentena me deixou e vem me ensinando a cada dia em relação ao tratamento do diabetes, penso que esse momento também pode ser visto como uma oportunidade para muitos em vários aspectos diferentes. Esse tempo de quarentena pode, por exemplo, nos tornar pessoas mais empáticas, que dão mais valor a pequenas coisas da vida, que reclamam menos e que dão mais atenção a si mesmo e ao próximo. Agora é a sua vez! Me conta o que a quarentena tem te ensinado sobre o tratamento do diabetes e também sobre a vida em geral? Quero muito saber 😊 Nessa quarentena recorra à Telemedicina! Fiz uma lista com diversos profissionais que eu indico! Confira aqui!

  • Existe Diabetes Emocional? Entenda do que se trata!

    Os estudos e as pesquisas sobre saúde mental estão cada vez mais avançados e, atualmente, já se sabe que diversas doenças são associadas ao estado psicológico do paciente. Em relação ao diabetes não é diferente, você já ouviu falar do termo “Diabetes Emocional”? Será que realmente existe? Vamos descobrir se essa informação é verdadeira! Afinal, o que é “Diabetes Emocional”? Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes não existe “Diabetes Emocional”, o que existe, de fato, é o diabetes tipo 1 e 2, o diabetes gestacional e outros tipos específicos que podem acontecer devido a doenças genéticas, hormonais e pancreáticas, por exemplo. Entretanto, é possível que situações de estresse e ansiedade sejam um gatilho para o desenvolvimento da condição em indivíduos que já possuem pré-disposição. E aí que entra o termo Diabetes Emocional. Para que você entenda melhor: Não existe um tipo de diabetes chamado “Diabetes Emocional”, porém, as emoções que sentimos, sejam negativas ou positivas, podem desequilibrar os níveis de açúcar no sangue, podendo ser um “empurrão” para o desencadeamento da diabetes em indivíduos com predisposição. Como o estresse pode alterar a glicemia O organismo compreende o estresse como um alerta de perigo e desta forma, a primeira coisa que ele faz é se preparar para fugir. Porém, situações de estresse são muito comuns e nem sempre realmente apresentam uma situação de perigo. Como o organismo não entende isso, ele libera alguns hormônios com o objetivo de distribuir energia (glicose nas células) para ser usado como combustível se for necessário. O que acontece em pessoas com pré disposição a diabetes é que essa energia produzida especialmente para o enfrentamento do estresse não consegue ir até as células, já que não existe insulina suficiente. Dessa forma, a glicose permanece circulando no sangue e, então, a glicemia aumenta. Vale citar, ainda, que o cortisol, conhecido como o “hormônio do estresse” tem influência direta no estoque dos triglicérides que, em grande quantidade, podem alterar os receptores de insulina no organismo e até mesmo desativar suas funções. Pode ser necessário acompanhamento de psicólogos ou terapeutas? O diagnóstico do diabetes, seja qual for o motivo do seu desencadeamento, é um período em que o apoio de profissionais que cuidam da parte psíquica, como terapeutas e psicólogos, pode ser bastante importante. Sobretudo se o diabetes foi desencadeado, em pessoas com pré-disposição, por estados emocionais, esse apoio se faz ainda mais necessário, para ajudar os pacientes a reagir da melhor maneira possível com eventuais problemas que podem vir a ocorrer. Diabetes e estresse não combinam: 5 dicas para lidar melhor com o seu estresse A forma como se encara as situações do dia a dia é fundamental não só para o bom controle da diabetes como também para evitar a mesma. É claro que nem sempre é fácil, já que estamos falando de autoconhecimento, aceitação e motivação, né? Para te ajudar, nós separamos 5 dicas para que você consiga lidar melhor com o seu estresse. Confira abaixo! Pratique exercícios físicos de forma regular. A atividade física tem o “poder” de afetar positivamente a mente e ajuda a aliviar o estresse; A alimentação faz toda a diferença no estresse, sabia? Excesso de cafeína, por exemplo, pode causar aumento da tensão e do nervosismo. Durma bem! A falta de qualidade no sono tem ligação direta com ansiedade e estresse; Evite situações de estresse. Permita-se se poupar de eventos ou pessoas que possam te causar estresse ou, já que você sabe que pode se sentir estressado, que tal tentar se autocontrolar antes disso acontecer?; Tome bastante água! O humor pode ser alterado pela desidratação, sabia? Uma boa dica é levar sua garrafinha de água para onde for, assim fica fácil lembrar de beber água durante o dia. Clique aqui e descubra 12 alimentos fáceis de serem encontrados que podem te ajudar a aumentar a sua imunidade!