google.com, pub-9214716039940352, DIRECT, f08c47fec0942fa0
 

Buscar

88 resultados encontrados

  • 15 dúvidas mais comuns sobre Contagem de CHO

    #DicaDaBiabética: Se quiser aprender sobre Contagem de Carboidratos, recomendo este curso da nutricionista Noelly Dantas👩🏻‍: https://go.hotmart.com/E14865545R Meu pai me deu um livro muito interessante esses dias. Chama-se ''Contagem de carboidratos e monitorização. 101 respostas''. Estudei esse livro pra poder dar o melhor conteúdo a vocês e resolvi fazer um post respondendo as perguntas que mais recebo na página. Para responder essas perguntas com informação de qualidade, me basearei pelas perguntas e respostas do livro. Citarei algumas para vocês: 1) ''Quais são os objetivos da Contagem de Carboidratos?'' ''Atingir o melhor controle metabólico; Proporcionar uma alimentação saudável, contendo carboidrato, proteína e gordura; Possibilitar um plano alimentar individualizado e flexível; Favorecer o crescimento e desenvolvimento; Favorecer a manutenção do peso saudável; Evitar as complicações agudas e crônicas.'' 2) ''Por que contar carboidratos?'' ''O carboidrato é o principal nutriente que eleva os níveis de glicemia. Aproximadamente 100% do mesmo é convertido em glicose, no prazo de 15 minutos a 2 horas e, colocando-se em foco, poderá auxiliar no controle glicêmico.'' 3) ''Quais os alimentos que contém carboidratos?'' ''Podem ser encontrados nos pães, biscoitos, cereais, macarrão, arroz, grãos, como também nos vegetais, leite, iogurte, frutas, sucos, açúcar, mel e alimentos que contenham açúcar.'' 4)"Quais as quantidades de carboidratos que um indivíduo saudável deve consumir diariamente?'' ''O requerimento de carboidratos está relacionado às necessidades calóricas e essas necessidades são baseadas na altura, peso, hábitos alimentares, estilo de vida, atividades físicas e objetivo de tratamento. De acordo com a American Diabetes Association, a porcentagem de carboidratos deve ser individualizada, levando em consideração todos os fatores já citados." 5)"O que é razão insulina:carboidrato?" "Razão insulina:carboidrato significa o quanto uma unidade de insulina ultrarrápida irá cobrir de carboidrato. A razão insulina:carboidrato, em geral, está relacionada à sensibilidade insulínica da pessoa" 6)"Como definir a razão insulina:carboidratos em adultos?" "Existem algumas maneiras e as mais utilizadas são: Regra geral: nesta regra, partimos do princípio onde 1 unidade de insulina ultrarrápida cobre 15 gramas de carboidrato. De acordo com o peso: de acordo com a tabela relacionada abaixo, definimos um ponto de partida levando em consideração o peso inicial do paciente. Monitorização: através da observação das glicemias pré e pós prandiais, define-se a razão." Peso (kg) | Razão 50 - 58 | 1 : 15 59 - 63 | 1 : 14 63 - 68 | 1 : 13 68 - 77 | 1 : 12 82 - 86 | 1 : 10 91 - 100 | 1 : 8 100 - 109 | 1 : 7 7)"Como definir a razão insulina:carboidratos em crianças?" "Existem algumas maneiras e as mais utilizadas são: Regra geral: nesta regra, partimos do princípio onde 1 unidade de insulina ultrarrápida cobre 30 gramas de carboidrato. Regra 500: nesta regra, divide-se 500 pela dose/total de insulina administrada nas 24h. Ex: total de insulina/dia = 12 500 : 12 = 42, portanto neste caso 1 unidade de insulina ultrarrápida deverá cobrir 42 gramas de carboidrato. Monitorização: através da observação das glicemias pré e pós prandiais, define-se a razão." 8)"A razão insulina:carboidrato pode ser modificada ao longo do dia?" "Sim. Geralmente quanto mais sensível à insulina o paciente for, maior a proporção de carboidratos cobertas por uma unidade de insulina. Essa sensibilidade pode ser alterada ao longo do dia, dependendo da resistência à insulina do indivíduo. Pode-se estabelecer uma razão pela manhã e outra à noite, por exemplo. É comum notar-se uma sensibilidade menor no período da manhã e no entardecer, aumentando assim a necessidade de insulina." 9)"Como avaliar se a contagem de carboidratos dos alimentos está sendo realizada corretamente?" "As glicemias pós prandiais são especialmente importantes na contagem de carboidratos, estando intimamente relacionadas às quantidades de alimento ingeridas, bem como a medicação atuante naquele momento. Outro artifício é sempre anotar o que comeu, calculando as gramas de carboidratos. Nas consultas, profissional e paciente checam a contagem através das anotações. Ainda é válido reforçar a importância de pesar e medir suas porções até que seu olho seja treinado.'' 10) '' A prática de atividades físicas deve ser levada em consideração nesse tipo de terapia?'' ''Sem dúvida, assim como em qualquer outra estratégia nutricional. A atividade física geralmente diminui os níveis de glicemia. Dependendo do tipo, intensidade e duração da atividade, a atividade física pode abaixar até 36 horas após a atividade física.'' 11) ''Como proceder ao ingerir bebidas alcoólicas, estando em contagem de carboidratos?'' ''O álcool não requer insulina para o metabolismo. O álcool puro como uísque, gin, run, vodka contém calorias, mas não carboidratos. Como ponto de partida dizemos que uma ou duas doses de bebida alcoólica não necessitam de bolus, mas caso o paciente exceda essas quantidades, tal situação deverá ser avaliada individualmente. Algumas vezes esse carboidrato deverá ser calculado, necessitando de bolus adicional. Assim, para saber como o corpo reage à bebida alcoólica, será importante checar a glicemia antes e duas horas depois de ter ingerido tal bebida.'' Exemplos de bebidas que contém carboidrato: cerveja, vinho, caipirinha, batidas e alguns drinks. 12) ''Muitos pacientes relatam que 4 a 5 horas após consumir churrasco e pizzas, a glicemia fica muito alta. Existe alguma técnica especial para essas situações, estando em contagem de carboidratos?'' ''É importante lembrar que aproximadamente 60% da proteína e 10% da gordura são convertidos em glicose, em aproximadamente 3-4 e 5-6 horas, respectivamente. Algumas dicas para evitar a hiperglicemia por proteína em excesso e gordura: Aprenda a estimar a conversão de proteína em carboidrato. A cada 1 porção de carne (total de 90g), deve-se considerar 15g de cho. Explicação: 90g de carne = 25g de proteína, pensando que 60% dessa proteína é convertida em glicose, 25 x 0,6 = 15g cho. Esta conversão é indicada quando o paciente consumir acima de 1 porção de carne. Pode-se achar necessário em situações de churrascaria e/ou pizzaria treinar a aplicação de insulina ultrarrápida após o término da refeição, retardando assim o pico de ação, coincidindo com o tempo de absorção da proteína e gordura que são mais tardios. Ou ainda dividir dose de insulina ultrarápida naquele momento, aplicando metade da dose antes da refeição e a outra metade após a refeição. 13) ''O que é importante identificar ao ler os rótulos dos alimentos?'' ''- Checar o tamanho da porção que está no rótulo, que nem sempre é a porção que será consumida. - Checar a quantidade de gordura total/porção - Checar a quantidade de total/porção'' 14) ''O que é importante ser registrado em um diário para evolução de terapia?'' ''- Data - Hora - Glicemias pré e pós prandiais de todas as refeições. - Anotação do tipo e quantidade de alimento - Anotação do cálculo de carboidrato (g) do alimento ingerido. - Anotação do bolus de alimentação - Anotação do bolus de correção - Anotação de prática de atividade física - Anotação de inteccorências (período pré menstrual, stress, gripe, infecção, etc) - Anotação de qualquer situação que saia da rotina'' Dica de aplicativo maravilhoso que faz o trabalho do diário para você: MySugr 15) ''Como interpretar uma hiperglicemia?'' ''Pré prandial: talvez haja necessidade de avaliar dose de insulina basal Pós prandial: identificar se houve falha na contagem dos carboidratos. Se não, identificar se há necessidade em mudar a razão insulina:carboidrato. Fonte: Livro ''Contagem de carboidratos e monitorização. 101 respostas''. Autor: Giseli Rossi Goveia - Luciana P.C. Bruno - Paula Maria de Pascali Editora: Preventa Edição 2003 #contagemdecarboidratos #hiperglicemias #hipoglicemia #diabetescontrolado #diabetes #diabetestipo1 #DM1 #controledodiabetes

  • Entenda melhor: Libre x Enlite

    ''-Bia, você gosta de usar o libre? - Não uso o libre, uso o Enlite -Mas não é a mesma coisa??????'' Cenas como esta acontecem diariamente comigo depois do lançamento do Freestyle Libre, o sensor de glicose que evita as picadinhas nos dedos. Muita gente que nunca tinha ouvido falar de um sensor de glicose acha que o Libre foi algo completamente revolucionário e milagroso. Não exatamente, povo! Eu uso um sensor de glicose que existe HÁ ANOS. Porém, só usa quem tem Bomba de Insulina. É o sensor Enlite, que é maravilhoso e me ajudou muito a controlar a minha glicose. Resolvi escrever este post pra poder explicar tim tim por tim tim sobre os dois. Vem ler: Definição Enlite: Sensor de glicose que mede a glicose do fluido intersticial a cada 5 minutos por meio de monitorização contínua de glicose. Libre: Sensor de glicose que mede a glicose do fluido intersticial a cada 1 minuto por meio de monitorização flash Duração Enlite: 6 dias Libre: 14 dias Preço Enlite: Cerca de R$2.000,00 por mês (1 caixa com 5 sensores), segundo o fabricante. Libre: Cerca de R$500,00 por mês (2 sensores), segundo o fabricante. Transmissão de dados Enlite: Existe um transmissor chamado minilink que não é descartável e tem validade de até 1 ano. Ele é reutilizável a cada troca de sensor e sua bateria deve ser carregada sempre que for retirado do sensor. A transmissão dos dados do minilink para a bomba de insulina é de forma automática. E a bomba de insulina, por sua vez, que já está programada com valores limites de hiper e hipoglicemia, avisa ao usuário toda vez que receber um valor fora da meta e consegue também prever hipo ou hiperglicemias, diminuindo a frequência das mesmas no controle da glicose. Isso acontece por conta do sistema de monitoramento contínuo. A bomba de insulina não faz a correção automática ainda. Libre: O sensor é descartável e os dados são transmitidos através de um leitor que pode ler o sensor a cada minuto. A transmissão não é automática, depende deste leitor. O usuário precisa passar o leitor perto do sensor para realizar a leitura, que é instantânea. O libre consegue também ler a tendência de glicose, fazendo com que o usuário preveja se terá hipo ou hiperglicemias, diminuindo a frequência das mesmas no controle da glicose. Cola do adesivo Enlite: Dentro da caixa do sensor vem uns adesivos transparentes que são indicados para usar como reforço do sensor de glicose, uma vez que o minilink é um pouco pesado e pode ter o risco de puxar o sensor pra fora marca. Libre: Costuma colar bem. Em pacientes com a pele muito oleosa, indica-se fitas adesivas para reforçar o adesivo. Você encontra dicas aqui. Calibração Enlite: Precisa ser calibrado com ponta do dedo pelo menos 3 vezes ao dia, segundo recomendação do fabricante. Libre: O libre não precisa de calibração, embora seja indicado checar com a glicemia sanguínea no primeiro dia para saber se as leituras estão batendo. Caso os sintomas não batam com a leitura, é indicado checar na ponta do dedo para conferir se a leitura do sensor está correta. Precisão Enlite: Se bem calibrado e aplicado corretamente, a precisão é ótima. Libre: Se aplicado corretamente, a precisão é ótima. Diferenças na leitura Ambos: Por ser utilizado o fluido intersticial como forma de medir a glicose no sangue, pode ser que em momentos de alteração bruscas no valor da glicose, a leitura não seja muito precisa. Isso se explica pelo fato do sangue receber as informações mais rápidas e o liquido intersticial um pouco mais lentamente. É por este motivo que muitas vezes as leituras podem não ser muito precisas. Entenda mais sobre diferenças entre glicose sanguínea e glicose do fluido intersticial aqui. Gráfico Enlite: O gráfico da Bomba de Insulina mostra a variação glicêmica nas últimas 3, 6, 12 e 24 horas (no modelo VEO) que são as linhas verticais e a meta de glicemia estipulada pelo médico junto com o paciente, que são as linhas horizontais. Libre: O gráfico do Libre mostra a variação glicêmica nas últimas 8 horas que são as linhas verticais e a meta de glicemia estipulada pelo médico junto com o paciente, que são as linhas horizontais. Momento Merchan: Adesivos para decorar o Libre e o Enlite Você pode encontrar lindos adesivos como esses aqui embaixo para decorar o seu sensor na minha loja virtual! Corre pra ver todas as opções <3 #bombadeinsulina #diabetes #DM1 #diabetestipo1 #diabetescontrolado

  • Por que fazer uma tatuagem sobre a Diabetes?

    Muita gente me pergunta se diabético pode fazer tatuagem. E a minha resposta sempre é: Se tiver controlado, porque não poderia? Entendam que um diabetes controlado é um diabetes livre de complicações, incluindo a de cicatrização. Mas não estamos aqui hoje para falar de diabetes mal ou bem controlado. Estamos aqui para falar de algo que pode servir tanto como homenagem quanto um alerta: A tatuagem diabética! A minha é essa daqui: Créditos: Belle Maia Fotografia Antes de fazer essa tatuagem eu pensei MUITO. Nunca tive medo de desmaiar na rua por conta de hipo ou hiperglicemias (até porque nunca desmaiei na vida por nada), mas o meu grande medo mesmo é de sofrer algum tipo de acidente (ser atropelada, acidente de carro, etc), ficar inconsciente e quando me levarem ao hospital, me darem soro glicosado. O verdadeiro motivo de eu ter feito a minha tatuagem de identificação foi esse: evitar problemas! É por esse motivo que escolhi esse lugar: perto da veia para colocar o soro... aviso logo ao enfermeiro pra ter cuidado comigo porque sou doce! Coloquei também o meu tipo sanguíneo pra não ter erro. Escolhi o tatuador e marquei o dia. Era pra ser apenas as partes escritas, sem o azul e o borrado de tinta, mas na hora fiquei tão empolgada que me deixei levar pelo tatuador. Ele veio com uma proposta super tentadora: ''vamos colocar uma cor aí... vamos homenagear esse seu controle'' (baixei a glicada pra 6,8 pra poder fazer a tatuagem. Antes ficava por volta de 7 a 7,5). Ele pingou uma gota de aquarela azul num papel e mandou eu assoprar. O meu ''sopro de vida'' resultou nesse desenho aí, que achei a coisa mais linda e significativa que poderia fazer. Resultado? Tá aí na pele! A tatuagem foi feita em 2 horas e foi praticamente indolor (juro!!), exceto pela parte perto da dobra do braço... ali doeu bastante. A minha cicatrização foi considerada normal. Em alguns dias já estava criando casquinha e em 1 mês estava completamente cicatrizada (resultado de uma glicemia impecável para evitar problemas). As minhas próximas tatuagens serão maiores e mais coloridas (amo cor!), mas não terão a ver com diabetes. Só falta a grana pra fazer, porque vontade não me falta hehehe E ai? Vai fazer a sua? Separei algumas tatuagens dos meus leitores para você se inspirar: #diabetes #diabetestipo1 #diabetescontrolado

  • Variação Glicêmica: Entenda!

    Você sabe o que é variação glicêmica? E como isso afeta na sua hemoglobina glicosilada (glicada?) Variação glicêmica é a diferença de valores da sua glicemia durante do seu dia. Sabemos que uma glicemia estável é melhor do que aquela glicemia que sobe e desce o dia todo não é mesmo? Mas não sabemos o porquê disso. Vou te explicar: Quando as nossas taxas de açúcar no sangue estão estáveis, o nosso corpo entende que estamos saudáveis. Com mudanças bruscas de glicemia, temos mudanças bruscas fisiológicas e dessa forma nosso corpo entra em estresse interno tentando controlar essas mudanças (sem sucesso, pois nosso pâncreas tá pifado). Esse estresse interno causado pelo descontrole do diabetes não somente aumenta a glicada, como aumenta o risco de doenças cardiovasculares e muitas outras doenças ligadas ao descontrole do diabetes. Uma glicemia estável e bem controlada tem muito menos risco de complicações do diabetes do que um descompensado que uma hora ta 400 e outra hora ta 40. Tanto agora quanto no futuro. Sei que se por um acaso eu ficar doente ou sofrer algum acidente, não terei medo de ter alguma complicação grave por causa do diabetes, pois com o controle glicêmico, meu corpo está forte para enfrentar problemas que possam aparecer. Quando nossa glicose está ruim, nosso corpo fica fraco, tudo é afetado: visão, imunidade, coração, apetite, libido, sensibilidade... E se uma pessoa descompensada sofre algum acidente ou fica doente, é provável que tenha complicações por conta desse descontrole glicêmico. No descontrole, não é apenas a glicemia que fica afetada. Lembre-se disso! Quando uma pessoa descompensada chega pra mim e fala que se sente cansada, com mal estar etc eu respondo logo: Claro! Seu corpo tá cheio de açúcar, trabalhando duro pra tentar controlar isso em vão e lutando pra sobreviver... é claro que você vai se sentir esgotada e sem vida! É claro que você não vai se sentir normal! O máximo de variação aceitável em adultos é de 50mg/dL, ou seja: metas de glicemia de 80mg/dL a 130mg/dL, 90mg/dL a 140mg/dL por exemplo. E é o medico que vai estipular o que é seguro para você! Se a sua glicemia dá hipo e hiper no mesmo dia, a sua variação não tá muito boa e você precisa arrumar um jeito de estabilizar isso. Como? Algumas dicas para evitar a variação glicêmica: 1) Tenha uma rotina. Tente se alimentar, praticar exercícios físicos e aplicar insulina nos mesmos horários. Seu corpo internamente tem toda uma rotina. Quando você come a qualquer hora e toma insulina nos horários doidos, deixa ele doido também, tadinho! 2) Meça a glicemia antes e depois das principais refeições e antes e depois de praticar atividades físicas para evitar hiper e hipoglicemias. 3) Estabeleça junto com o seu médico, o peso ideal, atividade física, níveis de glicemia e glicada de ideais para o seu tratamento. 4) Fazer contagem de carboidratos ajuda e MUITO no controle da glicemia! Fiz um vídeo falando sobre isso aqui! 5) Ande sempre com anti-hipoglicêmicos para emergência: 15g de mel, 15g açúcar, 150 ml de refrigerante normal ou suco de laranja 6) Siga a dieta e evite alimentos muito gordurosos. Prefira sempre os alimentos integrais e com bastante fibra. Um aplicativo que pode auxiliar na medição da variação glicêmica junto com a estimativa de glicada é o MySugr (tem na app store e na play store). Olhem a foto ao lado: Reparem na VARIAÇÃO e na HBA1C (glicada). Isso prova algo pra você né? Esse app é divino! Bom, espero que tenha ajudado! Já sabem: qualquer dúvida, podem me mandar mensagem :D Beijos carinhosos <3 #diabetes #soudiabeticoesoufeliz #diabetestipo1 #DM1 #contagemdecarboidratos

  • É lei: Pessoas com diabetes têm prioridade em exames de sangue em jejum no Rio de Janeiro!

    No dia 29 de setembro de 2016, foi sancionada pelo governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, a lei de número 7.434 escrita pelo deputado Dr Deodalto que dá o direito de PRIORIDADE no atendimento em exames de sangue que precisam de jejum para DIABÉTICOS. Ou seja, o diabético que não é idoso, não tem nenhum tipo de deficiência que dê prioridade e nem está grávida, pode pegar a senha de prioridade no seu exame de sangue se for um exame que exija o jejum. No que isso ajuda? Sabemos que ao ficarmos muito tempo em jejum, corremos o risco de ter hipoglicemia. No caso da hipoglicemia, somos obrigados a comer alguma coisa, comprometendo o nosso exame que precisa de jejum para ser feito! Portanto, essa lei é um vitória para nós! Confesso que antes de sair essa lei eu já fazia isso e ninguém nunca me impediu, mas agora se alguém implicar eu vou falar: TÁ NA LEI. Print de tela da publicação do Diário Oficial:

  • Lipohipertrofia por insulina. O que é isso?

    Sabe aquele calombo nos locais aplicação de insulina que dói, é um pouco duro e não se dissolve facilmente? Pode ser lipohipertrofia! Mas o que é isso? Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, ''A lipo-hipertrofia é um acúmulo anormal de gordura sob a superfície da pele. É mais comumente observada em pessoas que recebem múltiplas injeções diárias de insulina, o que pode causar o aparecimento de “caroços” no subcutâneo, geralmente ocorrendo no abdómen ou nas coxas, dependendo de onde as aplicações de insulina ocorrem com maior frequência. Essas alterações apresentam tamanhos e volumes variáveis, desde nódulos de alguns milímetros até vários centímetros de diâmetro''. Dá pra evitar? Sim! A SBD diz que ''em princípio, a principal causa da lipo-hipertrofia é a utilização do mesmo local para a aplicação de várias doses diárias de insulina'', então se fizer o rodizio de aplicações (aplicar cada vez em um local diferente), já é ótimo! Usar a mesma agulha em várias aplicações também pode ser um fator que contribui para esse acúmulo de gordura. Além disso, esse acúmulo de gordura pode até dificultar a ação da insulina quando aplicada naquele local. Tem volta? Sim! Com o tempo, os nódulos vão diminuindo, desde que siga as recomendações de rodízio e troca de agulhas. A SBD informa que nos casos mais graves de lipo-hipertrofia, ''a lipossucção é um processo que remove o nódulo gorduroso que existe sob a pele, mas ainda é um procedimento eficaz para a exclusão definitiva de nódulos grandes nos casos mais graves''. Se você acha que tem, peça pro seu médico te examinar! Sobre os rodízios: Mais informações sobre Lipodistrofia, pela Noelly Dantas @noellydantas ;)

  • Quais insumos de diabetes eu levo na minha bolsa?

    A pessoa com diabetes tipo 1 precisa sempre levar consigo o aparelho de medição de glicemia e um pouco de carboidratos de rápida absorção para no caso de hipoglicemia. O diabético tipo 2 que não faz medições o dia todo deve levar pelo menos um carboidrato (um docinho), pra se previnir no caso de uma hipo surpresa. No meu caso, sou diabética tipo 1, usuária de bomba de insulina e passo o dia na rua, então levo uma mala de coisas comigo hahaha Levo 2 bolsinhas: a de medir a glicemia e a dos insumos. Vou listar pra vocês: Na bolsinha de glicosímetro: 1) aparelho de medir a glicemia 2) tiras 3) lancetador Na bolsa de insumos gerais e da Bomba de Insulina: 1) aparelho de medir cetona junto com as tiras 2) lancetas novas 3) sachê com 15g de açúcar 4) cateter reserva (levo uns 2 ou 3 pra no caso de colocar errado) 5) adesivo do sensor 6) aplicador de cateter 7) seringas 8) pilha para a bomba 9) carregador do minilink 10) e por último, um sorriso no rosto, pq a vida é bela e tá aí pra ser vivida! O que vocês levam na bolsa de vocês? Me conta nos comentários! Ps: A bolsa da foto você encontra na minha lojinha :)

  • O que é isso redondo?

    ''O que é isso redondo no seu braço?'' Provavelmente essa é a pergunta que eu mais escuto! E eu não me importo nem um pouco em responder. Faço questão de explicar tudo para aquele curioso o que é um sensor de glicemia ou uma Bomba de Insulina e tudo o que sei sobre ter diabetes, principalmente como a minha vida é normal por causa disso. Eu sou APAIXONADA pela minha bombinha e não troco por nada (a não ser a cura né? hahaha). Não sei se todo mundo aqui sabe o que é isso, mas a Bomba de Insulina é um tratamento para diabetes tipo 1 que funciona basicamente como um ''pâncreas eletrônico''. Ela é programada para injetar quantidades de insulina (de acordo com a necessidade da pessoa) de hora em hora. Sempre que eu preciso ou quero comer alguma coisa, eu informo a quantidade de carboidratos que estou comendo e ela aplica um pouco mais de insulina para mim. A insulina entra no corpo através desse dispositivo redondo, que é a cânula. Não é uma agulha, mas uma cânula super pequena e fina de silicone que é praticamente imperceptível (a não ser quando eu bato em algum lugar e ela dobra. Aí dói pra caramba rs). A bomba pode ser usada junto com um sensor, que monitora a glicemia continuamente e faz um auê quando saio da meta glicêmica pra avisar ao diabético que tem algo errado. Hoje em dia existe no mercado Bombas de Insulina que percebem que a glicemia está caindo e cortam a infusão de insulina para evitar uma hipoglicemia. Falei mais sobre ela e outros tipos de bomba de insulina aqui. Enfim... tento tanto a falar sobre esse assunto que resolvi criar esse blog pra falar mais extensamente sobre o assunto! Espero que gostem :) #bombadeinsulina #diabetes #diabetestipo1 #DM1 #soudiabeticoesoufeliz